Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O blog catita

ideias e comentários do dia-a-dia e do design

O blog catita

ideias e comentários do dia-a-dia e do design

22
Fev17

Designer mês Fevereiro: Jonathan Adler

Jonathan Adler (nasceu em 1966 em Nova Jersey, Estados Unidos) é um ceramista, designer e criador.

Adler lançou a sua primeira coleção de cerâmica em 1993 em Barneys New York. Cinco anos mais tarde, passou para o mobiliário doméstico, abrindo a sua primeira loja homónima em Manhattan. Seus projetos de design de interiores refletem sua filosofia de renome em que uma casa deve fazer seu dono feliz. Ele faz isso através do uso de cores fortes e complementos decorativos muito especiais e únicos, como vasos, almofadas, tapetes.

Deixe-se inspirar por esta caracteristica forma de conjugar elementos.

Design-Tips-on-How-to-Decorate-with-Color-by-Jonat

Jonathan Adler.jpg

Jonathan-Adleer-Modern-Interior-Design-Ideas.jpg

Jonathan-Adler251.jpg

Jonathan-Adler-Barbie-Malibus-Dream-Home.jpg

Jonathan-Adler-Interior-Design-Inspiration-for-Liv

Jonathan-Adler-Living-Room-ideas-in-yellow-and-gol

Jonathan-Adler-New-York-private-residence.jpg

Jonathan-Adler-Projects-for-Private-Residence-Palm

Jonthan-Adler-and-his-philosophy-in-design-your-ho

modern-Peking-Sofa-styled-jonathan-adler1.jpg

muse-serveware.jpg

red-in-fredericksburg-tx-jonathan-adler-white-cera

Relief_BB.jpg

 

 

26
Mar15

Designer mês Março: Maarten Baas

Maarten Baas, nascido a 19 de Fevereiro de 1978 em, Arnsberg, na Alemanha. Entrou na Design Academy Eindhoven, em 1996. Ainda a estudar, o seu primeiro projeto, o cadelabro “Knuckle”, foi produzido pelo bij Pol’s Potten. Ele tambem vendeu a única peça conhecida como “Hey, chair, Be A Bookshelf” a Stef Bakker (co-fundador de Orange Babies). Em 2000, estudou alguns meses no Politecnico de Milão.

Em Junho 2002, graduou-se na Design Academy com a serie de mobiliário que parece queimado, chamado de "Smoke". Os seus trabalhos foram nomeados para os prémios internos "René Smeets-award" e "Melkweg-award". Depois desses prémios, Baas foi convidado para dar um workshop em França e uma exposição em Tóquio.

“Smoke” está na colecção da Moooi, O canndeeiro fez parte da exposição "Brilliant" do Museu Victoria & Albert, em Londres.

As suas peças são únicas e feitas à mão, embora produzidas em serie. Maarten procura os limites do design, sem se preocupar com os habituais “pros e contras”. Isto tornou-se claro no Salone del Mobile, em Milão de 2005, onde mostrou a sua nova colecção "Treasure", "Hey, chair, be a bookshelf!" e "Flatpack Furniture", que se tornaram um sucesso.

Em 2005, começou a colaboração com Bas den Herder, que se tornou responsável pela produção de todas as peças.

No Salone del Mobile em 2006, Maarten lançou Clay furniture, que foi considerado o sucessor de Smoke, e uma das peças mais surpreendentes da feira.

Em 2009, Maarten foi considerado Designer of the Year em Miami.

Desde 2012, a maioria dos produtos desenhados por Maarten são feitos pela Den Herder Production House (DHPH), derivado da Baas&den Herder. DHPH tambem produz para outros designers conceituados.

Em 2013, Maarten Baas produziu os relógios Grandmother e Grandfather em colaboração com Carpenters workshop gallery.

MaartenBaas_BlackWhite-1.jpg

maarten-baas-sculpt-cupboard.jpg

Maartin-image11.jpg

marteen-baas-01.jpg

2006_1_12_12_7_8--HEY_CHAIR_vandijk_fullmini.jpg

2007_3_31_13_18_42--CLAY_group.jpg

2007_3_31_15_0_19--KNUCKLE_group.jpg

2011_5_22_23_17_56--amnesty_4.jpg

2733126788_d7340f6e23.jpg

dzn_Maarten-Baas01.jpg

filename-mendini-restaurant.jpg

flatpack_table.black.jpg

 

Smoke (2011) by Maarten Baas (Moooi) in Les Indes

Smoke-Furniture-Collection-1.jpg

SPIELEREI_MaartenBaas_Gispen.jpg

Transformation-stage_1_and_2_0.jpg

 



 

 

 

13
Nov14

Designer mês Novembro: Jessica Hische

Jessica Hische cresceu na Pensilvânia, e com o apoio dos pais, um professor do ensino médio e um conselheiro de admissões conseguiu entrar numa escola de art. No 1º ano apaixonou-se por todas as disciplinas artísticas mas no segundo ano decidiu-se a ser designer gráfica  depois de ter desenvolvido projetos de pintura em cartazes e identidades. 

Formou-se em 2006 e conseguiu um emprego como designer freelancer num pequeno estúdio na Filadélfia, onde ajudou a projetar livros de fantasia e reafirmou a sua paixão pela ilustração e criação de imagem. No inverno, não tendo a certeza se eles queriam assumir um outro funcionário a tempo integral, criou uma ilustração promo para trabalhar como freelancer. Essa promo levou-a trabalhar com um dos seus heróis. Depois de dois anos e meio de muito pouco sono e muito lettering, o trabalho freelance começou a ser esmagador e tinha desejos de fazer projetos paralelos. Aventurou-se num pequeno projeto que acabaria por mudar a sua carreira e apelidando de “That Drop Cap Girl”.

Letrista, ilustradora e designer de tipos implacável desde 2009, trabalhou para um monte de clientes maravilhosos como Wes Anderson e Penguin Books. Partilhou estúdios com pessoas incríveis, como as do Studiomates e do Pencil Factory, onde continua a passar o tempo em viagens de ida e volta para o Brooklyn.

Divide os seus dias entre Brooklyn e São Francisco, o lugar que chama casa e onde montou um estúdio de colaboração e espaço de oficina com o seeu irmão de outra mãe, Erik Marinovich. Quando não estou manipulando Beziers ou trabalhando em projetos divertidos, podem encontrá-la no aeroporto a caminho de uma palestra. Ama o que faz e quer ajudar os outros a encontrar uma maneira de fazer o que amam.

5530042507_100cde01ce_z.jpg

0.jpg

01.jpg

02.jpg05.jpg

06.jpg

07.jpg

8.jpg

9.jpg

10.jpg

11.jpg

13.jpg

IMG_4263.jpg

jessica3.jpg

JessicaHische3.jpg

 

 

30
Set14

Designer mês Setembro: Raul Cunca

Interessado pelo design, desde cedo, Raúl Cunca entrou na Escola de Artes Decorativas António Arroio em 1977. Depois na Faculdade de Belas Artes em Lisboa, licenciou-se em Design de Equipamento, terminando em 1989 com mérito de bolseiro da Gulbenkian, e realizando posteriormente um mestrado em design industrial na Domus Academy de Milão e mais recentemente o doutoramento, novamente na Faculdade de Belas Artes (publicando a tese Territórios Hibridos).

Em Itália desenvolveu projectos com designers de renome como Paolo Deganello, Isao Hosoe ou Andrea Branzi abordando a problemática do design híbrido e mobiliário desdobrável. Entre 1986 e 1988, trabalha na Fábrica de Louças de Sacavém como designer, reformulando a imagem gráfica da empresa. Após a saída, funda o grupo Ex-Machina juntamente com os seus colegas recém-licenciados Paulo Parra, Marco Santos e José Viana. Este grupo, embora tenha tido uma vida curta, criou objectos como os telefones “Nó” e “Morphos” para o concurso Sony Design Vision’90, colecções de serviços de café e chá – “Do chá ao café” e “Só”-, linhas de mobiliário para empresas – “Deriva” e “Plano”- assim como também projectos de interiores, como é o caso da sede da empresa Latina Europa.

Raúl Cunca ganhou vários prémios, e participou em diversas exposições, tornando-se um dos designers que mais contribuiu para o reconhecimento do Design Português, dando-lhe visibilidade internacional ao participar em importantes exposições como a Bienal Internacional de Design de Saint-Étenne em França (2002) ou mostras exclusivamente portuguesas como “Sinne+5 Design aus Portugal” em Berlim e “Portugal2001” em S. Francisco.

Os objectos que projectou têm em comum características de versatilidade e adaptabilidade aos espaços e ao utilizador, podendo ter mais do que uma função, como é exemplo o banco de cortiça realizado no âmbito do evento “Significados da Matéria do Design” – Sus Design. Actualmente continua a dar aulas na Faculdade de Belas Artes, actividade que iniciou em 1994, sendo o coordenador do mestrado em design de equipamento, e é também professor do curso de design de interiores e equipamento no instituto politécnico de Castelo Branco.

Via museu virtual

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

06
Jul14

Designer mês Julho: Zanine Caldas

Zanine Caldas, (1919-2001) nasceu em Belmonte, no Brasil, foi arquiteto e designer autodidata, e iniciou sua carreira no Rio de Janeiro, no início das anos 40, como maquetista. Zanine teve a oportunidade de trabalhar para os principais arquitetos modernos brasileiros, como Oscar Niemeyer, Lúcio Costa e Oswaldo Arthur Bratke.

Zanine abriu, no fim dos anos 40, a fábrica Móveis Artísticos Z, destinada a fabricar móveis em chapas de compensado, com desenhos mais modernos e com preços acessíveis para a classe média. Em 1964, perseguido pelos militares, viajou pela América do Sul e África, o que influenciou muito o seu trabalho posterior, pois passou a reconhecer o valor do “saber fazer” popular. Quando voltou ao Rio de Janeiro, no final dos anos 60, realizou vários projetos de casas em estrutura de madeira, em estilo moderno, com tendências coloniais. 

Em 1968, mudou-se para a Bahia, onde desenvolveu projetos de preservação ambiental, e criou uma produção de móveis artesanais, utilizando restos de madeiras, toras brutas e raízes das árvores desmatadas pelas fábricas de celulose da região, como forma de protesto contra os abusos ambientais.   

Em 1977, as suas obras foram expostas em importantes museus do Brasil, como o Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ) e o Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp). Em 1989, além de fazer uma grande exposição de sua obra no museu de Artes Decorativas do Louvre, em Paris, recebeu medalha de prata da Academia Francesa de Arquitetura.

via brazilianfurnituredesign